MINHA COMUNIDADE – Chácara Santa Maria

Denise Bergamo mostra sua comunidade

O histórico do bairro que até cinco anos atrás não constava nos mapas de guia de rua é similar como outros de periferia.

A começar pela distribuição irregular dos lotes. O bairro fica em uma área acidentada geologicamente, áreas de encostas que em temporadas de fortes chuvas sempre há uma casa a desmoronar.

Toda a área é cerceada por um córrego, ele nasce aqui na chácara, corta diversos bairros do distrito de Capão Redondo e se estende até a marginal do Rio Pinheiros.

Ainda há chácaras e sítios no bairro, os primeiros habitantes daqui são japoneses que vivem do agronegócio, a Chácara Santa Maria faz parte da divisa de Itapecerica da Serra com São Paulo, onde na entrada da cidade pela Rodovia Armando Salles (Itapecerica da Serra) há fazendas, sítios e chácaras com plantações e criação de gado.

Com o passar do tempo a especulação imobiliária destruiu grande parte da vegetação nativa e com a divisão de lotes alojou famílias em encostas, hoje com os constantes desastres naturais noticiados, percebemos o grande risco que corre estas habitações.

O crescimento desordenado do bairro ocorreu nos anos 90 até início do ano 2000, a invasão destes terrenos se deu também em áreas de risco.

O bairro era constantemente noticiado pelo extinto jornal “noticias populares”. Infelizmente a década de oitenta e noventa foram períodos difíceis para os habitantes da Chácara Santa Maria.

Na foto vemos os morros que formam uma parte do bairro, há saneamento, luz, telefone, serviços essenciais. Chegando ao prazo de uma década, a sinalização do asfalto na rua cíclades, por exemplo, se deu depois da morte de uma criança por um caminhoneiro, sendo a rua pavimentada em 99, o acidente ocorreu em 2006.

Hoje o bairro encontra significativas mudanças, como postos de saúde e policiamento, linhas de ônibus a expansão do comércio.

Texto e Fotos de Denise Bergamo
Email: [email protected]

 

Deixe uma resposta