Em novo show com formato intimista, Rael canta clássicos de Vinicius de Moraes

Acompanhado de dois músicos, cantor aposta em releituras de grandes sucessos do mestre

Assim como foi o rap o responsável por mostrar a Rael, ainda criança, que sua história não seria trilhada de outra maneira senão ao lado da música, quando conheceu Vinicius de Moraes e seus afro-sambas, já adolescente, o músico se deu conta de que seu rap podia conversar com toda a diversidade brasileira.

Desde então, o cantor nascido na zona sul de São Paulo, hoje com 16 anos de carreira, traz essa característica permeando como pano de fundo seus quatro discos solo e outros tantos com o grupo Pentagono.

Como todo fã, volta e meia retorna a seu mestre, e em uma dessas audições veio a ideia: homenageá-lo relendo algumas das músicas de que Rael mais gosta, cruzando seu rap e sua bagagem musical com a do ídolo. “Eu passei o ano de 2016 todo envolvido na gravação do meu disco ‘Coisas do Meu Imaginário’ e agora, passado o lançamento, com a tour já na estrada, me veio isso de voltar ao Vinicius. A poesia dele dialoga comigo de uma maneira que me soa atemporal e essa possibilidade de reler algumas obras de que eu gosto tanto me são também um desafio interessante porque a ideia é trazer para um universo mais intimista, bem diferente do que tenho feito atualmente, fugindo da ideia de fazer um cover”, diz Rael.

No espetáculo “Rael canta Vinicius de Moraes”, o músico, no violão e na guitarra, apresenta-se com Felipe da Costa na percuteria e Julio Fejuca no violão e no baixo.

O repertório de releituras passeia por grandes sucessos da carreira de Vinicius, canções que Rael cresceu escutando. “Além dos afro-sambas, com Baden Powell, eu também gosto muito das parcerias com Toquinho, entre outras coisas, então fui escolhendo esse repertório de maneira bem afetiva mesmo, todas as músicas me dizem alguma coisa de uma forma bem pessoal mesmo”, conta o músico.

“Tarde em Itapoã”, “Canto de Ossanha”, “O Morro Não Tem Vez”, “A Felicidade”, “Berimbau” e “Canto de Iemanjá” são algumas das que estão no set list, em versões de Rael e Fejuca. Também rearranjadas para este formato, algumas canções do repertório do próprio Rael ganham espaço na apresentação.

A estreia do projeto será nas unidades do Theatro Net do Rio (27/9), Bangu (28/9) e São Paulo (17/10). As vendas serão liberadas em breve. Os shows acontecerão paralelamente à tour do disco “Coisas do Meu Imaginário”, com a qual Rael segue normalmente pelo Brasil e recentemente rendeu a ele o prêmio de melhor cantor na categoria Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk no 28º Prêmio da Música Brasileira. 

No dia 13 de setembro vai ao ar no Canal Bis a edição do programa “Versões” em que Rael homenageou Vinicius. 

Deixe uma resposta