Conheça a trajetória do rapper gaúcho Baltazar

Baltazar” hoje é o  pseudônimo que define o MC e ex integrante do conceituado grupo de RAP do RS Sopranos Mcs. O nome artístico do MC surgiu através de uma experiência espiritual pela qual passou, e ocorreu no meio de uma madrugada quando o MC teve contato com uma entidade vestida com um manto negro e capuz que se aproximou de seus ouvidos lhe entregando o nome “Baltazar”. Depois de um certo tempo o MC acabou descobrindo que Baltazar tratava-se de um cigano da linha de Umbanda que foi músico em vida e líder de todo seu clã. O nome também abre possibilidades para outras interpretações, já que Baltazar é um nome bíblico, e foi um dos 3 reis magos que levou a mirra para Jesus.

Baltazar vem de muitas conquistas com o Sopranos, fazendo shows em diversos lugares do RS, de Porto Alegre a Novo Hamburgo, se apresentando nos eventos de HIP HOP mais importantes do estado. E o lado de seu antigo companheiro já virou notícia dos maiores jornais do Sul do país (Diário Gaúcho e Zero Hora). A matéria na ZH foi feita por ninguém mais ninguém menos que Roger Lerina, um dos maiores críticos e jornalistas do RS. O MC teve a honra de participar do disco Pate do Ciclo Remix do grupo Rafuagi, um dos maiores expoentes do RAP RS e Nacional. Ainda ao lado de seu antigo companheiro concorreu como Revelação do ano na maior premiação do RAP no Estado realizada pelo RAP Longa Vida. E não parando por aí, também esteve na TV, fazendo uma apresentação ao vivo no programa Octo, onde o apresentador era Carlinhos Carneiro, vocalista da banda Bidê ou Balde, o qual fez muitos elogios a dupla de Mcs.

Hoje Baltazar é um dos Mcs de maior destaque no RAP Gaúcho e consequentemente se tornou uma das maiores promessas do RAP Nacional. Atualmente está focado trabalhando no seu ep de estreia solo intitulado Gênesis (gênesis significa “o começo”, “o ínicio”, etc), o ep conta com participações de Rafuagi, Mumu (Vera Loca), Lucas Blumm e Jay Gueto. o Ep está repleto de rimas ácidas, retratando uma pessoa conturbada e agressiva, visões políticas e interpessoais, com uma chuva de referências que vão do cinema a outras bandas/músicos que servem de inspiração para o MC. Bebendo em diversas fontes as 7 faixas transcendem do boombap, rapcore, Trap, Soul e Rock n Roll, onde Baltazar traz uma variação imensa nas levadas, prendendo totalmente a atenção dos ouvintes. 

Deixe uma resposta