ERIC MAGNUS e os “Contos Perdidos do Cerrado Central”

“Eric Magnus e seus Contos Perdidos do Cerrado Central trazem o rap contado diretamente do Centro-Oeste brasileiro. Porque, como ele mesmo diz em uma das músicas “o universo, mesmo grande, ainda tem seu lado interno”. Necessário, atual, concreto e verdadeiro, Contos Perdidos é um disco bem construído sobre rimas inteligentes e melodias ébrias muito interessantes e bem elaboradas.

Suas letras estão balanceadas entre o engajamento e a reflexão profunda dos temas. O equilíbrio de sua temática faz do som de Eric Magnus não redundante e absolutamente sincero, em que podemos encontrar os versos certos e pontuais sobre cada situação. Magnus é como aquele amigo que sempre tem a palavra certa a nos dizer em cada momento. Para finalizar, outras aspas do rapper “eu fico aqui, a palavra é eterna, o corpo morre, mas a alma se preserva”.” (por Robson Assis).

Presente em eventos musicais em Brasília como a festa Frenética e MOVE, além de já ter se apresentado com nomes da cena nacional como Slim Rimografia (SP), Munhoz (SP), Kamau (SP), B.Negão (RJ), Marechal (RJ), De Leve (RJ) e Doxsuol (GO).

Compôs e produziu em 2010 seu primeiro disco “Contos Perdidos do Cerrado Central” e futuramente, coordenou artisticamente a compilação “FRENETICAMENTE… Uma homenagem aos 9 anos dedicados ao centro da cidade”, participando também da produção e composição deste disco. Mantém trabalhos com Hadda MC como o single “Mr. Haddaman” e um próximo album colaborativo. Coordena o selo SAIDIRETRO, voltado a novos artista e faz parte do projeto HERÓIS e VILÕES com DJ Batma, Leozito Beats e Hadda MC.

Desenvolvendo atualmente a trilha sonora do vídeo de skate da marca CAPITAL SKATEBOARD e produzindo uma nova mixwave para dezembro/11.

ERIC MAGNUS
Disco CONTOS PERDIDOS DO CERRADO CENTRAL: http://ericmagnus.bandcamp.com/
Disco FRENETICAMENTE…: http://verd.in/fute
Bandpage do artista no facebook: http://verd.in/31gh
Twitter: www.twitter.com/MagnetoSom
Email: [email protected]

One thought on “ERIC MAGNUS e os “Contos Perdidos do Cerrado Central”

Deixe uma resposta