Rosie Lowe explora a potência dos sentimentos em YU

Segundo disco da cantora mostra maturidade sonora e lírica

Em seu segundo álbum, YU, Rosie Lowe se aprofunda ainda mais em sua própria sonoridade. Com suas texturas mais quentes, sensuais, cósmicas e funk-driven, o um disco que faz perguntas de como o coração e a mente funcionam. No entanto, este não é apenas um álbum sobre amor e ser amado: ao longo do disco Lowe explora e questiona a vida aos vinte e poucos anos em Londres, como uma mulher empoderada e no controle. Ouça o disco agora em todas as plataformas digitais aqui.

Em seu segundo álbum, YU, Rosie Lowe se aprofunda ainda mais em sua própria sonoridade. Com suas texturas mais quentes, sensuais, cósmicas e funk-driven, o um disco que faz perguntas de como o coração e a mente funcionam. No entanto, este não é apenas um álbum sobre amor e ser amado: ao longo do disco Lowe explora e questiona a vida aos vinte e poucos anos em Londres, como uma mulher empoderada e no controle. Ouça o disco agora em todas as plataformas digitais aqui.

Se Control foi a expressão singular de Lowe como artista solo, YU coloca a compositora em uma jornada criativa de escrever o disco com Dave Okumu (Grace Jones, Kwabs, Jessie Ware). “Onde Control era sobre si mesmo, Yu é sobre outro”, diz Lowe.

“Eu sabia que, para minha estréia, colocar tinta no papel e criar um começo para minha jornada musical tão específica de onde eu estava na época era algo que eu realmente precisava fazer. Para YU, eu queria colaborar com os incríveis músicos que me cercam e compartilhar meu processo com as pessoas que mais admiro e amo. Dave estava no centro disso e, apesar de sermos colaboradores de longo prazo, nunca havíamos escrito juntos antes. Foi o começo de uma nova jornada juntos como músicos, escritores e amigos”.

Essa confiança musical se torna ainda mais importante quando você se interessa por temas sentimentais do segundo álbum de Rosie Lowe. “YU é sobre relacionamentos e minha experiência de compartilhar minha vida com outro como amante, amigo e parceiro”, diz ela. “Minha relação com a religião, com o eu, com a resistência. A coisa sobre o amor é que é inexorável com a mudança e eu acho tão fácil resistir a isso.”

Estas são intensamente músicas da mente, o que faz sentido afinal quando você considera o fato de que Lowe também estudando psicoterapia. Aqui também estão canções saturadas de experiências físicas, com os riscos e quedas do amor e seus difíceis climas, bem como suas utopias.

Sharing is caring!

Deixe uma resposta