Manifesto Companhia Brasileira de Cinema Barato

Os latifundiários do audiovisual brasileiro, que durante anos, ditaram uma formula milionária e excludente, cultivando um sistema que só eles através de mamatas patrocinadas pela maquina governamental, transformaram não só o cinema e televisão, mas sim todo o audiovisual, em um clube fechado onde só os filhos da elite, os abastados podiam frequentar, vem mudando radicalmente.

Hoje, o audiovisual tendo em vista o novo modelo de plataforma que o mundo desenvolveu, continua aperfeiçoando, e que o Brasil, antenado com essa nova tecnologia, vem desenvolvendo, para que aqueles rejeitados, enjeitados, os filhos dos guetos, das favelas e das periferias, pudessem ter a oportunidade de expor sua visão, através de um novo sistema barato de captação de imagens.

Fazendo com que um movimento de realizadores do audiovisual se unissem para concretizar a COMPANHIA BRASILEIRA DE CINEMA BARATO (CBCB), mais que uma simples produtora, uma realizadora dos anseios populares, que os poderosos, sempre mostraram sob seu domínio e ponto de vista. Vem hoje mostrar que o povo é mais que um simples personagem e sim um realizador de audiovisual de qualidade indiscutível e que se não for superior a dos antigos reis do audiovisual arcaico, da era dos dinossauros, pelo menos mostra uma criatividade a toda prova, de cineastas atores e técnicos escondidos em lugares onde a política audiovisual não descobriu. O CBCB também trabalhara para difundir um audiovisual de qualidade, mas, sem transformar a produção em uma epopeia de milhões.

Onde o produto final, realizado através de meios simples e accessíveis, digitais ou não, para qualquer pessoa que queira transformar suas ideias em produto audiovisual. A distribuição, entrave primordial, para aqueles que cerceiam os realizadores pobres, fazendo também não chegar ao publico obras populares, transforma em trincheira, para quem exibe, continuar exibindo e quem não exibe, continuar no anonimato sem ter visualização de seu trabalho, será quebrado. Através de uma distribuição democrática, popular e livre de acesso fácil, através da internet, cineclubes, bancas de jornal, reembolso postal, camelôs, exibição em escolas, fabricas, presídios, entidades religiosas, ongs, associações, venda direta ao publico, salas de exibições digitais ou em qualquer outro meio, existente ou a ser criado, de acesso fácil, barato e popular. Nossa meta é que, não necessariamente só aqueles que trabalham com audiovisual façam filme, mas sim, qualquer pessoa sendo artista plástico, pintor, escultor, intelectual, professor, artistas, políticos, trabalhadores autônomos, profissionais liberais, médicos, advogados, portadores de necessidades especiais, garis, pedreiros, motoristas, donas de casa, desocupados, crianças, jovens, adultos, idôneos, de qualquer raça, cor, credo, conotação sexual, enfim, que todos possam expressar sem nenhuma censura, pré ou pós definida, de seus anseios, sonhos e reflexões, através da COMPANHIA BRASILEIRA DE CINEMA BARATO.
Não iremos revolucionar, nem mudar o mundo, mas podemos mostrá-lo, através de uma nova ótica.

OS MANDAMENTOS DA CBCB

1 – UM ROTEIRO DE QUALIDADE
2 – NÃO SE PRENDER A FORMULAS PRECONCEBIDAS
3 – CRIATIVIDADE NA CAPTAÇAO DE IMAGENS
4 – FILMAR COM QUALQUER TIPO DE CONSOLE
5 – TODOS SEREM MULTIPLICADORES
6 – NENHUM TEMA SER TABU
7 – TODOS FAZEREM TUDO
8 – PARCERIAS
9 – NÃO ALUGAR EQUIPAMENTO, INVENTAR
10 – DISTRIBUIÇÃO BARATA E POPULAR

Assinam este manifesto:

Marcelo Yuka, Leandro Firmino da Hora, Kátia Lund, Paulo Lins, Cavi Borges, Julio Pecly, Renato Martins, Perfeito Fortuna, Marcio Grafite, Pablo Cunha, Paulo Pons, José Antonio da Silva, Paulo Silva, Carlos Jasmim, Slow, Michel Messer, Mariana Vitarelli, Virginia Corsini, Natalia Lage.

Instituições que apoiam este manifesto:

Cinema Nosso, Cavídeo, Boca de Filme, Cine Guandu, cine clube Mate com Angu, Circo Voador, Fundição Progresso.

Posted by Paulo Silva & Julio Pecly at 3:12 PM 0 comments
Wednesday, October 15, 2008

O FILME DO FILME ROUBADO DO ROUBO DA LOJA DE FILMES

Sinopse: Num assalto a uma locadora de filmes da Zona Sul,os bandidos reconhecem um casal de artistas e discutem sobre celebridades, cinema e televisão.

Ficha técnica:

Roteiro: Julio Pecly, Paulo Silva e Marcelo Yuka
Direção: Julio Pecly, Paulo Silva e Marcelo Yuka
Produção: Companhia Brasileira de Cinema Barato e Cavídeo
Edição: Gustavo Pizzi
Elenco: Carlos Jasmin, Elielson Freitas, Slow da BF, Leandro Firmino da Hora e Natalia Laje

Ano: 2006

Prêmios:

Melhor filme
Festival de cinema e vídeo de Santa Cruz das Palmeiras 2008
Melhor vídeo
Festival Guarnicê 2008
Melhor curta, Prêmio do júri
Festival do Livre Olhar 2007
Melhor roteiro
Festival de Cabo Frio 2007
Melhor ator
Festival de cinema e vídeo de Santa Cruz das Palmeiras 2008

One thought on “Manifesto Companhia Brasileira de Cinema Barato

  1. Finalmente, romper espaços fechados e paradigmas!
    Adoro a criatividade e o sonho, mas curto muito mais a AÇÃO.
    Agir de forma consciente é a melhor coisa, definir parâmetros para si mesmo e não para os outros, poder escolher as ferramentas, democratizar os desejos, os sentimentos, a razão.
    Poderoso é o povo que toma suas próprias decisões, que gera seus questionamentos e responde a eles de outras fórmulas, que não as mesmas, que nunca deram certo. Cada vez gosto mais deste espaço!

Deixe uma resposta