Você está aqui:Home » Docs & Filmes » Filme: O lado negro do chocolate (2010)

Filme: O lado negro do chocolate (2010)

Filme: O lado negro do chocolate (2010)

Por Carol

O filme é sobre chocolate, mas não se anime muito: o assunto não é a fabricação da guloseima e, sim, exploração infantil.

Eu venho estudando bastante sobre a origem e a história do chocolate, pois foi o tema que escolhi para meu trabalho de conclusão de curso. E como Cinema e Gastronomia são, para mim, a combinação perfeita, tratei de procurar filmes sobre chocolate. Achei vários, como o clássico “Como água para chocolate”, o sensual “Chocolate”, e até mesmo o bonitinho “Les émotifs anonymes” entraram para a lista. Porém, o que me chamou mais a atenção foi o documentário “The dark side of chocolate” (O lado negro do chocolate).

E chama mesmo a atenção quando você descobre a realidade de muitas crianças em vários países africanos, e a indignação só aumenta quando você vê a falta de compaixão de muitas pessoas que lidam diariamente com essa problemática: crianças, tratadas como mercadorias.

O documentário é de 2010 e foi dirigido pelo premiado jornalista e diretor dinamarquês, Miki Mistrati. Ele decidiu investigar os boatos de que o chocolate que consumimos é produzido com o uso de trabalho infantil e tráfico de crianças. Sua busca o levou até a África Ocidental (Mali e Costa do Marfim), e com a ajuda de uma câmera oculta revelou muitas verdades.

A Costa do Marfim é o maior produtor de cacau no mundo, responsável por quase 50% da produção mundial. Em 2001, foi revelado o abuso e o tráfico infantil existente nas plantações de cacau que ocorriam nesse país, gerando uma má publicidade para os produtores. O senador Tom Harkin e o deputado Eliot Engel, membros do Congresso americano, criaram um projeto de lei agrícola propondo “um sistema federal para certificar produtos de chocolate como livres de abusos como a escravidão”. O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados, porém foi um desastre para empresas como a Cargill, Hershey, Nestlé, Barry Callebaut, Saf-Cacao; muitos dos fabricantes acabaram não se qualificando. A indústria reagiu e entraram em acordo um protocolo voluntário, onde fabricantes comprometiam-se a acabar com o trabalho e o tráfico infantil em plantações de cacau, com o prazo até 2005.

A indústria do cacau falhou, e o prazo passou para o ano de 2008. Em 2008, no entanto, os termos do protocolo ainda não tinham sido praticados e o prazo acabou se estendendo para 2010. Quase uma década se passou e fica a pergunta: será que os milhões de doláres gastos para erradicar o problema fizeram algum efeito? Será que mudou alguma coisa?

O documentário é simples, dura uns 45 minutos, com um final que deixa um gosto meio amargo na boca. Particularmente, me deixou triste, pois sou apaixonada pelo chocolate, por sua história e sua magia.

Vale a pena conferir (e divulgar o trabalho do Mistrati), seja você um chocólatra assumido ou um simples apreciador dessa guloseima:

O difícil mesmo é parar de consumir chocolate, como forma de protesto ou algo do gênero. O alerta aqui é para termos conhecimento daquilo que consumimos, de onde e como é originado. Infelizmente, a exploração e o abuso infantil são praticados não só em países africanos, não só na indústria do cacau. Acredito que no nosso país também ocorra esse tipo de abuso e exploração, principalmente na área de produção agrícola; o que não temos, ainda, é a divulgação de trabalhos de jornalistas como Mistrati, que correm atrás (literalmente) e lutam para que os direitos humanos sejam praticados igualmente.

Para mais informações sobre como você pode ajudar, acesse: SlaveFreeChocolate.org

Fonte: http://www.desopilar.com/2012/04/filme-o-ladro-negro-do-chocolate-2010.html

Deixe um comentário

© 2011 Powered By Wordpress, Goodnews Theme By Momizat Team