Nascidos em Bordéis – Documentário mostra a vida de filhos de prostitutas na Índia

Por Everson Bertucci

Documentário mostra a vida de crianças, filhos de prostitutas, que nascem e crescem em bordéis no bairro da Luz Vermelha, em Calcutá.

“É preciso aceitar que a vida é triste e dolorosa. Só isso.” Ou “Não há uma coisa chamada esperança no meu futuro.” Será que alguma coisa pode ser feita por crianças que dizem este tipo de frase? Será que existe possibilidade de mudar suas vidas, suas realidades e o universo que as cerca? Até que ponto pode-se interferir num universo onde não há expectativa, tão pouco esperança? Estes são os desafios que Ross Kauffman e Zana Briski decidem encarar neste dolorido, emocionante, surpreendente, avassalador – entre outros tantos adjetivos – documentário. Eles lidam com possibilidades remotas e pouco prováveis de mudança, porém, possibilidades.

Com câmeras fotográficas nas mãos, Zana e Ross propõem a oito crianças, filhas de prostitutas, num território miserável da Índia – o bairro da Luz Vermelha – uma observação sobre o lugar em que elas vivem, seus costumes, o dia-a-dia familiar, as brigas, as decepções, os sonhos… e que elas mesmas retratem sua própria realidade. Através das fotos tiradas pelas crianças pode-se observar a devastação e a beleza de suas histórias, suas angústias em relação ao futuro, o modo como eles lidam com a infância, suas perspectivas de vida, assim como a descoberta de um novo mundo, um novo horizonte. Enquanto isso, os cineastas tentam traçar um futuro melhor para elas.

Por vezes tristíssimo e à beira do desespero, noutros momentos mais espirituoso e reluzente, cru e sensível, o documentário evidencia as débeis condições de vida da população daquele bairro, expondo em particular os dilemas de um grupo de crianças forçadas a vivenciar as complexidades da idade adulta desde muito cedo.

Mesmo as almas mais cínicas dificilmente resistirão a algumas contagiantes cenas com as crianças indianas, sobretudo nos episódios onde é claro o entusiasmo pelas potencialidades da fotografia e, por extensão, da arte em geral. Igualmente marcantes são os entraves colocados às tentativas de melhoria das condições de vida das crianças, visível nas sequências em que Briski se desdobra numa inquietante rede de atribulações burocráticas.

Direção, Roteiro, Produção e Fotografia: Ross Kauffman e Zana BriskiPaís/Ano de Produção: Índia/EUA – 2004
Duração: 86 MinutosFaixa Etária: Livre
Lançamento: 2006
Prêmios Recebidos:
Melhor Documentário: National Board Of Review- Prêmio da Audiência: Sundance Film Festival- Melhor Documentário: Los Angeles Film Crtics- Melhor Documentário: Oscar 2005

Fonte: http://borboletaesqualida.blogspot.com.br

Deixe uma resposta