Teatro do Oprimido apresenta o espetáculo “Coisas do gênero”

Na véspera do feriado da Independência, próxima terça, dia 6 de setembro, as 20:30h, os Curingas do Centro de Teatro do Oprimido farão apresentação do espetáculo Coisas do gênero na sede da instituição, na Lapa, com entrada franca.

A apresentação será gravada ao vivo e fará parte de um DVD a ser publicado pela Routledge, editora estadunidense, em homenagem a Augusto Boal.

O DVD é um projeto organizado por Julian Boal, que além do CTO, contará com a participação do grupo indiano Jana Sanskrit, do GTO-Maputo de Moçambique, do israelense Chen Allon e do próprio Boal dando aulas e praticando Teatro Invisível na Bélgica. O DVD virá acompanhado de artigos dos diretores e grupos participantes do vídeo, incluindo Julian Boal e Helen Sarapeck, o qual terá circulação internacional.

Exclusivamente em linguagem não-verbal, o Fórum musical Coisas do Gênero, conta a história de uma mulher, que desde o seu nascimento até a maturidade, luta para ser reconhecida em casa e no trabalho. Com direção geral de Helen Sarapeck e direção musical de Roni Valk, o espetáculo tem currículo internacional, com passagem pela França, Índia, Palestina, Áustria e Croácia, discutindo a relação entre gêneros, aonde a mulher luta para sair da condição de oprimida. Como em todo espetáculo Fórum, ao final, o público é convidado a entrar em cena, e, teatralmente, sugerir alternativas para a situação abordada.

Quem quiser fazer parte desta iniciativa e circular junto com o CTO pelo mundo afora, basta vir a apresentação e participar da gravação!

Serviço:

Apresentação única e gratuita.

Dia 06 de setembro, terça-feira às 20:30h
Casa do Centro de Teatro do Oprimido
Av. Mem de Sá 31, Rio de Janeiro
(perto dos Arcos da Lapa, ao lado do Asa Branca)

Informações: 2232.5826 / 2215.0503

 Sinopse: Espetáculo de Teatro-Fórum de Imagens, exclusivamente em linguagem não-verbal e repertório musical inédito, que apresenta a História de uma Mulher em sua luta por espaço próprio, respeito e independência. A encenação é aberta pela dança de Orixás: uma saudação à Mãe Terra e uma celebração ao feminino e ao masculino na criação da vida. Seres que nascem do mesmo ventre são separados pela ação da sociedade que os transforma em Homem e Mulher.

O crescimento, a descoberta e a explosão da paixão são enquadrados no ritual do casamento, que gera a família e uma vida doméstica desgastante. A mulher, agora esposa, busca atividade profissional fora do lar e passa a viver a pressão da dupla jornada de trabalho: sua vida se torna um tormento. Ela tenta sair da situação, mas não consegue. Precisa então, da ajuda dos espectadores que são convidados a entrar em cena para em seu lugar, tentar sair da opressão.

Ficha Técnica:

Direção Geral: Helen Sarapeck
Direção Musical/Trilha Sonora: Roni Valk
Criação Coletiva

Composição Musical: Roni Valk, Bárbara Santos, Luiz Vaz e Nico do Cavaco
Curinga: Monique Rodrigues

Elenco: Alessandro Conceição, Claudia Simone, Claudete Felix, Flavio Sanctum, Geo Britto, Helen Sarapeck, Janna Salamandra, Monique Rodrigues e Olivar Bendelak

Músicos: Alexei Henriques, Luiz Vaz, Nico do Cavaco e Roni Valk

Coreografia: Charles Nelson

Cenografia: Cachalote Mattos e Zitto Bedat

Adereços de Figurino e Maquiagem: Wellington Leão e elenco
Figurino: Ângela Fagundes e Wellington Leão

Boneca de manipulação: Zé Luiz Reis

Deixe uma resposta