Dudu de Morro Agudo fala sobre seu clipe “Sacolihna”

No dia 25 de junho o Rapper Dudu de Morro exibiu pela primeira vez, no Espaço Enraizados, o vídeo clipe da música “Sacolinha”, sua música mais polêmica, que faz, de maneira bem humorada e sarcástica, duras críticas sobre a atuação de algumas igrejas no Brasil. O clipe foi produzido por Bruno Thomassin, da produtora La Casa Loka, e apesar de na maior parte do tempo trazer animações em 2D, contou com a participação especial dos atores Luiz Carlos Dumontt, Samuca Azevedo e Gyselle Cruz. Confira agora a entrevista concedida por Dudu ao Polifonia Periférica.

PP – Como surgiu a idéia de fazer o clipe, como foi à produção e quais as maiores dificuldades?

DMA – A iniciativa foi do Bruno Thomassin, proprietário da Produtora La Casa Loca. Em 2009, enquanto gravavamos o filme “Mães do Hip Hop”, minha mãe disse que curtia da música Sacolinha, então ele comecou a escrever o roteiro e fazer as primeiras animações que inclusive integraram no filme.

No início desse ano ele propôs fazermos o clipe, conversei com a diretoria do Enraizados e decidimos que essa era a hora, pois por mais incrível que possa parecer, esse é meu primeiro videoclipe.

A produção contamos com o apoio do Fábio Stateh, que deu uma bola cedendo a equipe para a maquilagem e tal, mas todos ajudaram na produção, o Léo da XIII deu uma bola também. Nossa maior dificuldade foi o tempo da galera, reunir todos no mesmo dia foi difícil demais.

PP – Como foi feita a seleção dos artistas que participaram do clipe?

DMA – O Dumontt e o Samuca Azevedo são atores por formação, escolhemos o Tayrone – menino que me representou quando crianca – por que ele já faz parte do Enraizadinhos e tem experiência com esse lance de câmera, ele fica bem a vontade, mas antes conversamos com os pais dele para pedir autorização.

O mais difícil foi conseguir as atrizes que fariam minha mãe e a dançarina. Primeiro convidamos a Michele Roque, que nao é atriz, inclusive essa foi a primeira experiência dela em frente a uma câmera, ela fez a minha mãe. E convidamos também a Gyselle Cruz, que já tem bastante experiência, pois já gravou outros videoclipes e filmes.

PP – O resultado final foi exatamente a idéia inicial ou durante o processo passou por modificação? E como você avalia o resultado final?

DMA – Segundo o Bruno Thomassin, que fez o roteiro e dirigiu o clipe, tudo saiu perfeitamente como ele previa, com excessão da cena em que represento um PIMP com a Gyselle, pois o Bruno queria que tivesse mais duas ou três meninas.

Creio que essa falta não fez falta [risos]. A mensagem foi passada, eu particulamente gostei muito do resultado final, pois a idéia é abrir uma discussão séria a partir de uma videoclipe.

PP – Você tem um considerável número de músicas inteligente, criativas e bem humoradas o que te levou a escolher especialmente “Sacolinha” para clipe?

DMA – Obrigado. Como eu havia dito antes, eu não tive prioridade em fazer o clipe da Sacolinha, simplesmente recebi uma proposta de um profissional que admiro e confio muito, que creio que achou a música interessante por causa do assunto. Outras produtoras já proporam fazer o clipe de outras músicas e acho que vai rolar tudo esse ano, o disco que saiu em 2009 provavelmente vai se transformar num DVD de clipes em 2012.

PP – Como está a repercussão do clipe? Está atendendo a sua expectativa ou superou?

Está tendo uma repercussão legal, tá rolando um boca a boca e o acesso no youtube tá aumentando bastante a cada dia. Pra você ter uma ideia, no canal do UOL o video tem três vezes mais acessos do que no nosso Canal no youtube, que é o oficial.

Mas o meu termômetro mesmo é o meu blog (http://www.dududemorroagudo.com/audiovisual/sacolinha) onde coleciono muitos comentários interessantes, inclusive de protestantes. O objetivo está sendo atingido aos poucos. A música tem cerca de 15 anos e continua atual, então o clipe vai perdurar atualizado por muito tempo na internet, sempre trazendo “antigas/novas” questões para discussão.

PP – Você escreveu “Sacolinha” quando tinha 16 anos. Passaram-se 15 anos e a letra continua retratando uma realidade. Como você analisa essa questão da exploração religiosa ter tanta força e influência nos dias atuais?

DMA – Tenho certeza que um dos fatores que contribuem e fortalecem para que a exploração religiosa tenha tanta força e influência nos dias de hoje, é o uso “abusivo” dos meios de comunicação. Apesar de eu acreditar que os mais pobres são os que mais sofrem com essa extorsão, pois doam tudo o que possuem em troca de alivio, conforto e/ou perdão, sei também que a ambição dos líderes religiosos fez com que eles fossem além, investindo mais e buscandos outros “clientes”, com mais recursos financeiros.

Assista ao vídeo de “Sacolinha”

Deixe uma resposta